quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Impotência na hora do sexo, um fantasma dos homens

Quase metade dos brasileiros tem algum grau de dificuldade de ereção. Além disso, eles também sofrem com os ‘fantasmas’ da ejaculação precoce, falta de libido e até dificuldade para atingir o orgasmo. Foi o que revelou a pesquisa ‘Movimento pela Saúde Masculina’, da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), feita com 10 mil homens de 22 municípios, entre março e dezembro deste ano.

“O índice de homens que têm dificuldades para atingir o orgasmo (14%) chama atenção porque esse problema é pouco falado”, destaca o urologista da SBU Paulo Bastos. Segundo ele, na maioria das vezes, o mal não é causado por doenças específicas: é consequência de problemas psicológicos ou uso de drogas.

.

“O problema é mais comum em jovens que estão começando a vida sexual e usuários de álcool e drogas. Alguns medicamentos, como antidepressivos, também causam o transtorno. É preciso ir a um médico para identificar as causas e fazer uma avaliação psicológica”, explica.

Insegurança e tabu

Uma outra pesquisa, o Estudo da Vida Sexual do Brasileiro, liderada pela psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) da USP, revelou que a ejaculação precoce também é um assunto recorrente em consultórios.

Segundo Carmita, ausência de autoconfiança, inibição excessiva diante da parceira, intranquilidade, receios e excesso de expectativa são fatores que influenciam negativamente na relação sexual. Quanto maior a ansiedade, maiores são as chance de ter problemas no desempenho sexual. Já em relação à disfunção erétil, é importante estar atento: a impotência pode estar ligada a outras doenças.

“A partir dos 40 anos, as falhas de ereção aparecem com mais frequência e podem sinalizar que doenças como diabetes, hipertensão, problemas cardíacos e depressão estão se instalando e colocando em risco não só a vida sexual, mas a qualidade de vida”, diz Carmita, ressaltando que é fundamental a participação da mulher nos cuidados com a saúde do homem.

“Muitas vezes, depende mais das mulheres cuidar da saúde masculina, por meio do incentivo à adoção de hábitos de vida saudáveis e agendamento de consulta com o urologista pelo menos uma vez por ano”, aconselha.

O presidente da SBU, Modesto Jacobino, acrescenta que um dos motivos que colaboram para a ausência de homens nos consultórios médicos é a falta de políticas de saúde voltadas para esse público. Ele também acredita que falta treinamento dos profissionais de saúde para que o atendimento seja feito de forma correta.

“Além disso, muitas vezes o paciente é atendido por mulheres e se sente inibido de dizer as queixas em relação à saúde. Sabemos que há demanda, o homem quer se cuidar mais. Mas ele ainda precisa quebrar tabus”, conclui.

Excesso de automedicação

Cerca de 44% dos brasileiros têm problemas de ereção, mas só 30% procuram um especialista antes de começar a usar medicamentos contra disfunção erétil, como o Viagra.

“Repudiamos o uso de medicamentos sem orientação médica, principalmente o uso recreativo do Viagra. Para saber se é necessário, é preciso consultar o urologista e fazer exames”, afirma Modesto Jacobino. Já Paulo Bastos lembra que, após os 40 anos, o homem também deve fazer exame de próstata ao menos uma vez por ano.

Além de ir ao urologista pelo menos uma vez por ano, para evitar problemas sexuais basta seguir uma receita simples: praticar exercícios regularmente, ter alimentação adequada, não fumar e evitar bebidas alcoólicas.


Alex Lima - Contatos: noticiaefatos@gmail.com
Twitter:@noticiaefatos
Cel:9977-6454

Nenhum comentário:

Postar um comentário