quinta-feira, 31 de março de 2011

Dieese prevê menor taxa de desemprego menor este ano

A taxa de desemprego no conjunto de sete das principais regiões metropolitanas do País deve chegar a cair abaixo de 10% ao longo deste ano, de acordo com os coordenadores da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Em fevereiro, o desemprego ficou em 10,5% nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo e Distrito Federal, o menor índice para meses de fevereiro de todo levantamento, iniciado em 1998.De acordo com o coordenador do Dieese, Sérgio Mendonça, o comportamento da taxa de desemprego costuma ser de alta nos três primeiros meses do ano, de relativa estabilidade no meio do ano e de queda nos últimos meses. "Tudo indica que o desemprego continuará a cair em 2011, mas em velocidade menor do que em 2010", afirmou.Segundo ele, a taxa de desemprego já está próxima ou abaixo do patamar de 10% nas regiões metropolitanas de São Paulo (10,6%), Belo Horizonte (7,8%), Fortaleza (8,6%) e Porto Alegre (7,3%), mas permanece acima desse patamar em Salvador (14,3%), Recife (13,9%) e Distrito Federal (12,7%). "São Paulo representa cerca de metade do universo da pesquisa e está puxando o desemprego para baixo. Além disso, temos três regiões metropolitanas já com taxas de desemprego baixas e outras três que, embora acima dos 10%, também registram um nível de desemprego historicamente baixo para suas regiões", explicou.Mendonça destacou que o nível de ocupação no conjunto das regiões pesquisadas aumentou 2,9% na comparação com fevereiro de 2010, variação avaliada como expressiva, mas menor que nos últimos 12 meses nesta base de comparação. "Esse comportamento do nível de ocupação é condizente com a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mais modesta", disse, lembrando que nos últimos 12 meses a ocupação registrou crescimento ao redor de 4% nesta base de comparação.Ele ressaltou, porém, que a massa de rendimentos dos ocupados, indicador que combina a ocupação e o rendimento, subiu 9,9% em janeiro deste ano comparativamente ao mesmo mês do ano passado. "Isso mostra que a economia não vai desacelerar de forma tão intensa. Eu não apostaria em crescimento do PIB menor que 4%."De acordo com o coordenador do índice pela Fundação Seade, Alexandre Loloian, a taxa de desemprego costuma aumentar mais intensamente nos meses de fevereiro comparativamente a janeiro. "Fevereiro é uma época de demissão em todos os setores. Portanto podemos dizer que tivemos um bom desempenho no mês de fevereiro que registrou estabilidade", afirmou.ABC - Na região metropolitana de São Paulo, o desemprego registrou o menor nível para meses de fevereiro desde 1990, quando ficou em 8,1%. Ele ressaltou que no ABC e nos demais municípios da região metropolitana, exceto São Paulo, o desemprego atingiu o menor nível da série: respectivamente, 9,6% e 11,7%. Na capital paulista, o desemprego ficou em 9,8%.No mês passado, o único setor que registrou aumento no nível de ocupação na comparação com janeiro foi a indústria, com alta de 0,8% e criação de 14 mil postos de trabalho. No comércio, a ocupação caiu 1,5%; no setor de serviços, 0,3%; e nos demais (construção civil e serviços domésticos), 0,4%. De acordo com Loloian, o crescimento do emprego na indústria foi puxado pelos setores de metal mecânica e gráfico.Considerando todos os setores, o nível de ocupação caiu 0,3% em fevereiro ante janeiro na região metropolitana de São Paulo, mas ainda registra uma alta de 2,8% na comparação com fevereiro de 2010. No conjunto das sete regiões metropolitanas, a Fundação Seade e o Dieese contabilizam 471 mil desempregados a menos que em fevereiro de 2010, desempenho avaliado como "virtuoso". Fonte: Agência Estado Alex Lima - Contatos: noticiaefatos@gmail.com Twitter:@noticiaefatosCel: 9977-6454/9234-0590/8422-8857 MSN: noticiaefatos@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário