terça-feira, 4 de outubro de 2011

Das dez maiores marcas, 7 são de tecnologia, diz Interbrand

Coca-Cola segue como a marca mais valiosa, com valor de US$ 71,8 bi; não há brasileiras no ranking

SÃO PAULO - Das dez maiores marcas do mundo atualmente, sete são do setor de tecnologia. A conclusão é da Interbrand, consultoria de marcas (branding), que apresenta a 12ª edição do ranking 100 Melhores Marcas Globais.

Coca-Cola segue como a marca mais valiosa do mundo, segundo o levantamento. A fabricante de bebidas vale US$ 71,8 bilhões, aumento de 2% em relação ao levantamento anterior, quando valia US$ 70,4 bilhões.

A segunda marca mais valiosa é a IBM, que se valorizou 8%, de US$ 64,7 bilhões em 2010 para US$ 69,9 bilhões na edição 2011 do levantamento. Em seguida, aparecem, em ordem: Microsoft, Google, GE, McDonald's, Intel, Apple, Disney e HP na décima posição. Destas, a que mais cresceu foi a Apple, que saltou da 17ª colocação no ano passado para a 8ª posição neste ano. "A Apple aumentou seu valor de marca em 58% e pela primeira vez se encontra entre as 10 maiores", destaca o diretor da Interbrand do Brasil, Alejandro Pinedo.

Além de Apple, a Amazon.com (26º), Google (4º) e Samsung (17º) são as quatro empresas que mais subiram posições no ranking. Uma das poucas novatas é a HTC (98º), fabricante de aparelhos móveis. "O setor é extremamente valorizado. Entretanto, algumas empresas de tecnologia enfrentam grandes problemas", disse Pinedo, citando como exemplo a Nokia, que caiu da 8ª para a 14ª posição, após enfrentar forte concorrência em smartphones. "A expectativa é que a parceria entre a Nokia e a Microsoft ajude a companhia a virar o jogo neste segmento", afirmou o executivo, citando que nesta edição do ranking o valor de marca da Nokia foi o que mais caiu, 15%, passando de US$ 29,495 bilhões para US$ 25,071 bilhões.

Automotivo

Pinedo lembra ainda que o último ano foi marcado por uma melhora nos mercados, depois da crise de 2008 que acabou abalando o desempenho das companhias também em 2009. A melhora do humor no ano passado, segundo ele, contribuiu para o ressurgimento da indústria automotiva norte-americana e a alta demanda por carros na China. Dessa forma, a Toyota (11º) mantém sua posição como a maior marca automotiva no estudo. E como novidade, a Interbrand informa que a Nissan Motor, a segunda maior fabricante de veículos do Japão e ausente das Melhores Marcas Globais desde 2007, retornou ao ranking agora, na 90ª posição.

A próxima edição do ranking deve apresentar reflexos do cenário de turbulências nos mercados da Europa e Estados Unidos. No entanto, como ressalta Pinedo, para uma marca permanecer na lista das mais valiosas é importante "manter a consistência, relevância e comprometimento, especialmente em época de mudanças".

Conforme o levantamento, o mercado financeiro é um dos que continua lutando para manter o valor das marcas após a crise econômica de 2008. Citi (42º), Barclays (79º), Credit Suisse (82º) e UBS (92º) viram uma pequena diminuição no valor de suas marcas nesta edição. Porém, algumas instituições financeiras com sede na Europa registraram crescimento de 5% ou mais no último ano, como o suíço Zurich (em 94º) e o espanhol Santander (68º lugar).

Brasileiras

Não há empresas brasileiras entre as 100 marcas mais valiosas. "Várias companhias brasileiras poderiam entrar para o ranking de acordo com o valor da marca, entretanto, elas precisam avançar em outros quesitos", disse Penido. É preciso que a empresa tenha um terço de sua receita fora do local de origem e deve ser lembrada por pessoas em qualquer lugar do mundo, mesmo fora do seu setor de atuação.

Vale e Petrobrás são fortes candidatas a entrar no ranking por conta da atuação em outros países, porém, as duas companhias são pouco conhecidas fora de suas atividades. Já o Itaú Unibanco atingiu o valor de marca necessário, mas não possui presença global. Diferentemente da Alpargatas. "A fabricante das Havaianas tem presença mundialmente reconhecida e sua receita tem forte contribuição de outros países, mas ainda não atingiu o valor mínimo para entrar no ranking", conta Penido.

Luxo

De acordo com o diretor da Interbrand, o mercado de luxo vem crescendo em valor de marca. A fabricante de bolsas Louis Vuitton ganhou a 18ª colocação, seguida por Gucci (39º), Hermès (66º), Cartier (70º), Tiffany (73º), Moët & Chandon (77º), Armani (93º) e Burberry (95º). "Todas as empresas de luxo que aparecem no levantamento da Interbrand obtiveram esse incremento ao alavancarem sua condição de ícone e, simultaneamente, engajaram novos consumidores em experiências únicas e significativas", explica Penido.

Estadão

Alex Lima - Contatos: noticiaefatos@gmail.com
Twitter:@noticiaefatos
Cel: 9977-6454/9234-0590/8422-8857
MSN:
noticiaefatos@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário