quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Moradores do Bairro 06 de agosto pedem clareza sobre projeto de retirada de famílias da área de risco

Hoje, uma comissão de moradores do bairro 6 de agosto foi até o ministério público protocolar denúncia contra o Estado

Moradores_do_Bairro_06_de_agosto_pedem_clareza_sobre_projeto_de_retirada_de_famlias_da_rea_de_risco2Moradores_do_Bairro_06_de_agosto_pedem_clareza_sobre_projeto_de_retirada_de_famlias_da_rea_de_risco3
Cerca de 270 famílias podem ser retiradas

O processo de retirada de famílias do bairro 6 de agosto, considerado área de risco já começou e a comunidade tem se manifestado contra uma série de procedimentos, que segundo eles, desrespeitam o direto dos moradores. Uma comissão esteve hoje no Ministério Público protocolando denúncia contra o governo, que de acordo com eles não tem informado o que de fato vai acontecer na área.

Moradores_do_Bairro_06_de_agosto_pedem_clareza_sobre_projeto_de_retirada_de_famlias_da_rea_de_riscoAposentada Francisca mora no bairro há 32 anos, diz que não sai de sua moradia sob justificativa de que a área é alagadiçaA aposentada Francisca mora no bairro 6 de agosto há 32 anos. Próximo a casa dela, uma obra pública acontece. Ela já procurou saber do que se trata, mas ninguém informa. Assim como a cratera que está sendo aberta, a idosa não tem informações sobre a retirada das famílias do bairro. De uma coisa ela tem certeza. Não vai sair da casa onde mora, sob justificativa de que a área é alagadiça. “Não quero sair por que a água não empata a gente”, explica a moradora.

Hoje, uma comissão de moradores do bairro 6 de agosto foi até o ministério público protocolar denúncia contra o Estado, pedindo esclarecimentos sobre o processo de retirada que já começou na região. “Queremos que o MP cobre um posicionamento claro do governo a respeito do que ele quer para àquela área e como isso vai mexer com os moradores”, disse Israel Souza, presidente da comissão de moradores. Segundo Israel, algumas famílias estão sendo pressionadas a sair de suas casas, sob ameaça de terem a luz e água cortadas.

No início de setembro uma equipe do governo passou na comunidade e demarcou algumas casas com um código. Ninguém explicou ao certo qual seria o motivo das marcações. Alguns moradores receberam como justificativa de que seria um cadastramento do bolsa família, outros, de que se tratava do controle das casas em área de risco. A falta de clareza no projeto governamental para a área, têm causado angústia e incerteza aos moradores. “A gente quer certeza do que vai ser feito aqui, e com a gente. Eles ficam fazendo pressão pra nós sairmos”, conta o morador Joel Pereira.

Cerca de 270 famílias podem ser retiradas. Entre elas, a família da dona de casa Antônia Feitosa. Ela mora com mais 7 pessoas, e afirma que com o aluguel social de 300 reais não consegue uma casa que comporte toda família. “Não queremos morar num quarteirão, com pessoas que a gente não conhece. E minha vizinha já procurou uma casa pra alugar nesse valor e disse que não achou”, justifica a moradora.

Gislaine Vidal

Alex Lima - Contatos: noticiaefatos@gmail.com
Twitter:@noticiaefatos
Cel: 9977-6454/9234-0590/8422-8857
MSN:
noticiaefatos@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário