terça-feira, 30 de outubro de 2012

Brasileiros fecham pontes na fronteira com a Bolívia em protesto


cartazes protesto bolivia
Familiares estiveram em protesto com cartazes; ponte foi liberada à tarde (Foto: Alexandre Lima)
Em protesto à prisão de um mototaxista acreano por policiais bolivianos, amigos e parentes dele interditaram as duas pontes de acesso à cidade de Cobija, na Bolívia, nesta terça-feira, 30. O protesto começou ao meio dia e termionou ao fim da tarde.


Eronildo da Silva Lopes, 46 anos, é acusado de portar dois mil dólares americanos, cerca de R$ 3,8 mil, quando deixava Cobija, na fronteira com as cidades de Brasiléia e Epitaciolândia (a 240 quilômetros de Rio Branco).

Ele foi preso pela Interpol boliviana e está no presídio de Villa Busch, distante cerca de nove quilômetros da mesma cidade.

Revoltados com a situação, familiares, amigos e mototaxistas das cidades de Brasiléia e Epitaciolândia, interditaram as duas pontes que dão acesso ao lado boliviano de Cobija, capital do departamento de Pando, dando acesso apenas para travessia a pé.

O manifesto teve início por volta das 12h20 desta terça-feira, 30, e teve como intenção chamar a atenção das autoridades brasileiras, já que pelo lado boliviano, nada existe para que possa ajudar o mototaxista.

Eronildo está preso desde sexta-feira, dia 26, quando foi até Cobija após ser contratado para buscar uma ‘encomenda’. Foi detido na volta por policiais da Interpol, igual a Polícia Federal brasileira, com cerca de dois mil dólares americanos.

Desde então, sem qualquer tipo de defesa, ele é acusado de ser conivente com supostos criminosos do lado brasileiro. Os bandidos estariam ameaçando uma família de bolivianos, após a perda do dinheiro.

Contam ainda que Eronildo estaria desde sexta-feira sem tomar banho e teria sido torturado pelos policiais que o detiveram.

O brasileiro passou todo o final de semana sem qualquer tipo de comunicação com familiares ou autoridades do lado brasileiro. A interdição seguiria por tempo indeterminado. Nenhuma autoridade brasileira se manifestou sobre o caso.
 
OAltoAcre.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário