segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Gladson Cameli presta contas e diz que o Acre perdeu o “medo” de mudar

Fazendo um balanço dos seis anos de mandato como deputado federal, o jovem engenheiro civil, cruzeirense de 34 anos, Gladson de Lima Cameli (PP), concedeu entrevista ao sistema de rádio e televisão Juruá, esta semana, reafirmando seu compromisso com os 22 municípios acreanos e a meta de cumprir o propósito de trabalhar pelo progresso do Acre, destacando como principal prova de seu trabalho o número de indicação e liberação em emendas parlamentares para o estado, somando cerca de R$ 70 milhões, o que lhe rendeu o título de Campeão de Emendas no ano de 2012, segundo dados do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi).
A informação foi repercutida pelo portal G1, da Globo e pelo jornal Correio Braziliense, um dos principais diários da capital federal, onde Gladson trabalha semanalmente no Congresso Nacional juntos a vários ministérios na busca de recursos para diversos segmentos do estado.
Na conversa com o jornalista Nelson Liano Júnior, Cameli faz uma prestação de contas a sociedade acreana, e respondeu a perguntas de telespectadores e internautas durante a entrevista. Durante o bate-papo, Gladson também comenta sobre seu ingresso na vida pública e afirma que seu futuro depende de Deus e das conversas que terá com sua família. No entanto, ele garantiu que não será mais candidato à reeleição de deputado federal em 2014.
Gladson fez questão de agradecer a atenção dos ministérios com as solicitações da bancada acreana, citando o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro (PP), como um dos grandes parceiros na liberação de emendas para o estado. Leia os principais pontos da entrevista:
Sua prestação de contas de 2012 mostra o senhor como um dos parlamentares campeão de emendas devido ao grande volume de recursos conquistados para o Acre no Congresso Nacional. Isso é fruto de uma grande articulação em Brasília, obviamente?
Gladson Cameli – Esses valores dizem respeito aos seis anos de mandato. Lembro-me de quando eu venci a primeira eleição para deputado federal, várias pessoas diziam que eu tinha ganhado um mandato de presente da minha família para brincar em Brasília. Para você ver, dois grande veículos de comunicação do país destacaram um deputado acreano, do Vale do Juruá, que liberou mais recurso do que vários outros políticos antigos e com grande influência naquela Casa. Isso tudo é a prova de que há políticos de que realmente têm compromisso com seu povo; fruto das parcerias que fizemos com as prefeituras e o Governo do Estado. Isso faz nosso trabalho valer a pena, e nos incentiva a continuar lutando por recursos para o nosso estado.
Este foi um ano eleitoral com disputas bastante acirradas no Estado. Qual avaliação que o senhor faz do resultado geral das eleições de 2012?
Gladson Cameli – Na minha opinião, foi um ano bastante positivo, principalmente do ponto de vista da democracia. Percorri todos os municípios do nosso estado, de Assis Brasil e Marechal Taumaturgo, e o que vemos é que existem dois grandes sentimentos por parte da população acreana. O primeiro deles é o de mudança. Isso é muito bom porque mostra que as pessoas perderam o medo de dizer que querem algo novo. O segundo diz respeito a responsabilidade que temos como lideranças políticas. Essa eleição nos mostrou que a oposição tem desafios além de simplesmente ganhar uma eleição. Deve-se ter a consciência de que é preciso administrar com competência. Os problemas devem ser resolvidos gradativamente, apesar do Brasil estar enfrentando uma crise mundial, que tem afetado o FPE e FPM, podemos continuar trabalhando pelo desenvolvimento de cada município. Sabemos que os prefeitos que assumirão agora em 2013 terão uma certa dificuldade no início, mas com determinação, coragem e garra para administrar, contarão com o meu apoio e de toda bancada federal no Acre e em Brasília.
Deputado, o senhor nasceu no Vale do Juruá e sempre fez questão de deixar claro seu apoio a integração do estado através da BR-364.A população juruaense sempre questiona por que a obra não foi inaugurada até os dias de hoje.
Gladson Cameli – A BR-364 é uma questão que eu acompanho desde a época em que meu tio Orleir Cameli era governador do Acre. Se você relembrar o passado, quem tirou Cruzeiro do Sul do isolamento foi Orleir, mesmo sem apoio e perseguição de vários políticos que hoje ignoram seu nome e o restante daqueles que ajudaram a construir o Acre que hoje temos. Quem completa 15 anos hoje, pensa que o Acre foi descoberto em 1999. Ele tirou água de pedra, ligou Rio Branco a Sena Madureira, tirando Sena do isolamento, e ligou a capital a Brasiléia. São duas obras que marcaram o fim do isolamento no Acre. Eu sempre parabenizei o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que deu atenção ao Acre quando nós estávamos esquecidos. Mas, sobre a inauguração da estrada, as informações que recebemos em Brasília é que a partir do próximo verão as obras serão reiniciadas. Acredito que até o final de 2013 ela será inaugurada. Se depender da bancada federal acreana, o Governo do Estado terá total apoio, com recursos necessários para concluir esta grande obra de infraestrutura ansiosamente esperada pelo povo acreano.
O Acre tem um grande problema relacionado a questão da energia elétrica. O senhor trouxe uma CPI do Congresso Nacional ao estado no ano de 2009 e a presidenta Dilma anunciou a redução das tarifas de energia elétrica. No Acre, esses preços são exorbitantes por conta dos impostos estaduais e federais. O que a bancada federal tem feito para solucionar este problema?
Gladson Cameli - Mais uma vez vou voltar ao passado. Quando Orleir era governador, o valor do ICMS no Acre era 40% mais barato do que é hoje. Ele conseguia realizar obras, apesar de toda intervenção, muitas vezes equivocadas, da oposição que hoje tornou-se situação. Conseguiu trabalhar com recursos do estado e pouco mais de 30% do Governo Federal. Após o término de seu governo, seu sucessor aumentou o ICMS e os demais o mantiveram altíssimo até os dias de hoje. Desde meu primeiro mandato luto contra esses abusos. Me indigna saber que o acreano paga tão caro por uma energia de péssima qualidade. Tenho um exemplo do município de Mâncio Lima, onde a Dona Mara, uma amiga minha, esteve com sua casa fechada por três meses, e nesse período, no primeiro mês sua conta chegou no valor de R$ 200,00. No segundo mais de R$ 300,00, e no terceiro mês alcançou mais de R$ 400,00. Uma questão que me intriga e me revolta é o fato da própria Aneel não se manifestar em favor da sociedade. Na minha opinião trata-se de uma agência reguladora que não regula nada. Ela autoriza um reajuste para dezembro enquanto a própria presidenta da República está incentivado a redução no valor da energia, e ainda estimulando os estados a reduzir o valor do ICMS sobre a conta de luz. Ninguém entende um país deste. Em 2013 devo ser relator de uma matéria onde as pessoas que ganham até seis salários mínimo possam ser beneficiadas com encargo zero de impostos na conta de energia. Vamos tentar mais essa conquista em favor do consumidor no próximo ano.
As passagens aéreas também fazem o consumidor acreano vítima de preços abusivos, e o senhor também tem protestado contra estes casos.
Gladson Cameli – Acredito na redução nas tarifas de passagens aéreas porque temos uma proposta neste sentido tramitando na Câmara. A presidenta Dilma inclusive sancionou uma lei aprovada pelo congresso onde os aeroportos que passam menos de 1 milhão de passageiros por ano terão isenção nas tarifas. O que nos deixa chateados é o fato de que as empresas querem incentivo, mas não querem reduzir preços das passagens. Outra ação que nós não desistimos diz respeito ao aeroporto de Rio Branco. Já fizemos várias denúncias a Anac sobre as péssimas condições da pista e ainda sobre os preços absurdos das passagens aéreas para o Acre. Estou solicitando uma conexão imediata em Rio Branco ou Porto Velho pela Gol. É uma proposta que está em análise, e dentro de três meses teremos resposta.
O sistema de telefonia é outra problemática que o acreano enfrenta…
Também tenho me posicionado sobre a qualidade do sistema de telefonia e internet no Acre. Já estive com representantes da Oi e Vivo por vários momentos exigindo a ampliação do sinal das operadas no estado e também o bom funcionamento do serviço. Inclusive, gostaria de anunciar que nas vilas da Lagoinha e Santa Luzia, a Oi já se comprometeu em até o final do próximo ano instalar antenas de telefonia móvel para atender a população. Agora em janeiro a Oi estará inaugurando o mesmo serviço em vila Campinas. A Vivo já está funcionando em Rodrigues Alves, e a tendência é que essas empresas continuem melhorando o que oferecem ao nosso consumidor. Eu sempre estarei atento a isso.
Deputado, vários leitores gostariam de saber no que resultou o imbróglio sobre o fuso horário do Acre em Brasília.
Gladson Cameli – Quanto a essa questão, lhe afirmo que se o ano tem 365 dias, faço questão de dedicar todos a essa questão também. Eu, Gladson, tenho minha opinião pessoal sobre o horário, mas acima da minha opinião e dos meus desejos pessoais está o respeito ao acreanos que foram às urnas votar e dizer que queriam nosso horário de volta. Nós não somos bobos e sabemos quais são os partidos e os políticos que não respeitam essa decisão. Seu eu tivesse o poder da caneta, esta situação estaria solucionada. Como não tenho, só me resta me posicionar ao lado do povo até o fim desta batalha.
Qual o seu principal projeto para o novo ano?
Gladson Cameli – São vários, mas o principal é continuar trabalhando na defesa dos interesses da sociedade acreana. Meu sonho é que a partir de fevereiro tenhamos energia e passagens aéreas mais baratas, e pretendo acompanhar todos os prefeitos do estado para conseguir recursos em Brasília. Por isso é essencial que eles coloquem suas prefeituras adimplentes para receber esses recursos. Minha primeira ação agora em 2013 será subir o rio Juruá e Moa, onde estarei subindo a Serra do Divisor a partir do dia 3 e janeiro e visitarei e ouvirei as comunidades, a exemplo do que fez em 2012 quando fui de barco de Cruzeiro do Sul até o município de Marechal Taumaturgo.
A pergunta que mais chega aos estúdios da televisão e rádio é se o senhor será candidato ao Senado em 2014. Qual é realmente o seu projeto para as próximas eleições?
Gladson Cameli - A população acreana é muito politizada, e isso é bom porque mostra que as pessoas estão cada vez mais atentas ao que os políticos no exercício de sua função. Porém, neste exato momento sou candidato a fazer o melhor mandato possível em favor do Acre. Quero que lembrem de mim como um deputado que trabalhou pelo nosso estado, que não mediu esforços, que sempre buscou o progresso do estado. Quanto ao meu futuro político, eu dependo de Deus e da minha família, que é a base de tudo. Só posso lhe afirmar que candidato a deputado federal não serei mais porque acredito que já estou dando minha contribuição na Câmara Federal para o Acre, e existem jovens tão sonhadores, capacitados e dispostos a trabalhar pelo Acre que merecem espaço na política. Todos têm o direito a ter a oportunidade de servir ao seu povo, assim como eu tenho tido a minha, e sou grato a Deus, a minha família e ao povo acreano por isso.
Qual seu sonho para o Acre em 2013?
Gladson Cameli – Desejo que o Acre seja livre. Livre da opressão, da mentira, da corrupção, e que todas as famílias possam alcançar paz e cidadania, o que só é possível quando as autoridades deixam a arrogância de lado e se fazem humildes e dedicados a trabalhar por mais emprego, saúde, educação e segurança para todos. Eu acredito neste futuro.
Entrevista concedida a TV e Rádio Juruá, em Cruzeiro do Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário